Arquivos de Tags: china

Quem diria… O Wi-Fi começa a interessar à telefonia móvel no Brasil

No final de 2005, desisti de escrever sobre Wi-Fi no Brasil cansado da “miopia” das operadoras de telefonia do nosso país em relação a esta tecnologia. Meu “canto do cisne” nesse assunto  foi nessa matéria Telcos e WISPs… Como vocês podem ter retorno com Wi-Fi!, Teleco,  14.nov.2005.

O tempo passou e seis anos depois, “muita água rolou debaixo da ponte”, a saber:

a)     iPhone

Tivemos a grande quebra de paradigma da telefonia móvel que foi o iPhone da Apple em Janeiro de 2007. A Nokia “tá zonza” até agora (ver Nokia Cutting 3,500 Jobs, Dailywireless, 29.sep.2011 e Nokia: The first year of the Elopcalypse, The Register, 28.oct.2011) apesar de estar tentando “voltar ao prumo” com novos lançamentos de handsets (ver Nokia Unveils Windows Phones, Dailywireless, 26.oct.2011 e Lumia Lumia Lumia, what are you doing Nokia?, Communities Dominate Brands, 02.nov.2011);

b)    Internet Móvel

O iPhone revolucionou o uso da Internet Móvel pelo mundo afora que “tá bombando” e vai “bombar” muito mais (ver The Future of Internet is … Mobile, Mary Meeker, 12.apr.2010 e Mobile Internet: 1 Billion Served, Dailywireless, 11.jan.2011). Graças a revolução do IPhone no estímulo ao uso da Internet Móvel um snapshot recente mostra que o tráfego de mobilidade no aparelho celular dobrou nos últimos doze meses (ver Mobile data traffic doubled in past 12 months, GigaOM, 13.oct.2011);

c)    Smartphones

O mundo todo assiste com interesse a evolução crescente do número de smartphones.  No 2º semestre de 2011 tínhamos 835 milhões de smartphones para um total de 5,6 bilhões de aparelhos celulares (isto nos dá quase 15% de smartphones em relação a base mundial de aparelhos celulares) (ver KPCB Internet Trends 2011, Scribd, October 2011). Em 2015, o número de smartphones no planeta atingirá a marca considerável de 54,5% (ver By 2015, smartphones will rule the mobile planet, GigaOM, 25.aug.2011);

d) Tablets

Uma grande transformação também virá com os dispositivos, os quais, atualmente, são objeto de desejo de muita gente pelo mundo afora. Em Julho de 2010 sinalizamos a onda do tablet “batendo na nossa porta” na matéria: O Tablet vai revolucionar a mídia impressa?, Convergência Digital, 01.jul.2010. O campeão dos campeões dos tablets é o iPad da Apple que foi lançado no final de Janeiro de 2010;

e) Mídia Social

No final de 2005, o hoje famoso Facebook ainda não tinha completado seus dois primeiros anos de vida desde seu anúncio em Fevereiro de 2004. Nessa época, o Twitter ainda não tinha nem nascido pois teve seu lançamento apenas em Julho de 2006. As redes sociais estão transformando o mundo (ver Facebook Adds Timeline & Streaming, Dailywireless, 23.sep.2011 e Internet Trends 2011, Mary Meeker, Kleiner Perkins Caufield and Byers, October 2011) e vão querer um naco do negócio de telecomunicações em curto prazo. Operadoras de Telefonia acautelem-se e comecem a rezar logo pois as redes sociais querem pegar parte do seu “rico dinheirinho”! (ver Facebook challenge to mobile networks, CeBit Australia e Facebook’s Mobile Ambitions Get Bigger, GigaOM, 03.nov.2010).

O Analista de Indústria Nielsen sinalizou recentemente que o povo está “cada vez gastando mais tempo, dinheiro e usando o aparelho celular” nas redes sociais (ver Nielsen Social Media Report, Dailywireless, 13.sep.2011).  Hoje, o Facebook contabiliza 800 milhões de usuários. Quase quatro vezes o tamanho da população do Brasil. As Redes Sociais estão cada vez mais sendo acessadas via telefonia móvel (ver comScore: LinkedIn & Twitter Mobile Access Growing Faster Than Facebook Mobile Access, Social Times, 21.oct.2011). Atualmente assistimos a uma grande disputa entre o Facebook e o Google pelo domínio da Internet que com certeza “desmbocará” na Internet Móvel (ver Facebook vs. Google: The battle for the future of the Web, Fortune Magazine, 03.nov.2011);

f) VoIP chegando na Telefonia Móvel

Em 2005, a tecnologia VoIP já causava seu estrago na telefonia principalmente longa distância e fixa. O campeão desse segmento - o  Skype - teve seu release inicial anunciado em Agosto de 2003. Em 2004, já sinalizávamos o sucesso do VoIP nas matérias antológicas: “Apesar de você…

amanhã há de ser outro dia”, Portal Alice Ramos, 05.jan.2004 e Todo Mundo Está Falando VoIP. E Você?, Teleco, 13.dez.2004. O VoIP continuou “arregaçando” no mercado de telecomunicações e hoje já tem vários produtos no mercado. Uma forma atualmente utilizada por usuários de smartphone para falar em VoIP é através de conexões de Wi-Fi. E quando o VoIP vai chegar na telefonia móvel? Será que chegará algum dia? Pois é, o VoIP acaba de chegar na telefonia móvel na T-Mobile dos EUA através do produto Bobsled (ver T-Mobile: New Tablets, BobSled and Prepaid Data Plans, Dailywireless, 12.oct.2011).

g) O Mundo tem 7 bilhões de Habitantes

O mundo alcançou a marca de 7 bilhões de habitantes (ver 7 Billion People on the Planet – How Relates to Digital Divide?, Communities Dominate Brands, 26.oct.2011). Atualmente 85% da população mundial possui aparelho celular. Um número incrível de penetração e aumentando a uma velocidade diferenciada (ver Mary Meeker: Mobile Covers 85% of Population, Dayliwireless, 19.oct.2011).

h) Necessidade de Conectividade

A busca da conectividade será sempre premente. Atualmente, a grande maioria do planeta – que pode – busca a conectividade (How connectivity is revolutionizing everything, GigaOM, 01.nov.2011. A conectividade via telefonia móvel (por ex., Plataformas de 4G-LTE) e Wi-Fi (e sua evolução, ver Fast Transistion to 802.11ac Predicts ABI, Dailywireless, 19.sep.2011) será muito importante na próxima década. A conectividade móvel também terá um papel fundamental na conexão de vários dispositivos nos próximos anos (ver What Impacted Mobile Nets The Most?, Dailywireless, 09.aug.2011);

Oi: Wi-Fi é uma Opção Estratégica

Com a integração efetiva da rede da Vex – 1,6 mil hotspots no Brasil e 2 mil na América Latina, comprada há dois meses por R$ 27 milhões, depois de uma disputa com TIM e Telefônica (ver Oi pagou R$ 27 milhões pela Vex, Teletime, 15.ago.2011) – a Oi anunciou, no final de Outubro de 2011, sua política de incorporar a tecnologia Wi-Fi à sua cobertura de serviços 3G. A aposta audaciosa da Oi na tecnologia Wi-Fi está baseada em vertentes de estratégia, no interesse em desafogar (“offload”) o crescente tráfego de banda larga móvel e também na busca de novas ofertas para o mercado (ver Oi aposta firme no WiFI e libera 1,6 mil pontos para seus clientes de alto consumo, Telesíntese, 31.out.2011;  Oi oferece Wi-Fi de graça para cerca de 1 milhão de clientes, Teletime, 01.out.2011 e Wi-Fi vira ativo estratégico da Oi, Convergência Digital, 31.oout.2011). Segundo a Oi o seu “objetivo com Wi-Fi é mais complementar nossa oferta de banda larga do que prover um serviço novo isolado. Os clientes da Oi terão acesso mais livre e integrado a essa rede“. A principal novidade do anúncio da Oi é a parceria com a Fon, empresa presente em 11 países e com mais de 4 milhões de hotspots Wi-Fi. Sua rede é composta por roteadores em pequenos estabelecimentos comerciais. Estes cedem 1Mbps de sua conexão fixa para o acesso público através de Wi-Fi, mantendo o restante para seu consumo privado.

A Oi entende que a integração do faturamento das diferentes ofertas é um grande diferencial e que a oferta de convergência anunciada recentemente pela Claro, EMBRATEL e Net é apenas “para mexicano ver” (ver Oi integrará serviço móvel, fixo e Wi-Fi. Segundo tele, combo da concorrente é ‘para mexicano ver’, Teletime, 08.nov.2011 e Oi planeja integrar ofertas de banda larga fixa, móvel e WiFi, Telesíntese, 08.nov.2011).

AT&T

O movimento da Oi não é novo no segmento de telefonia móvel. De fato, ele começou com a maior cellco americana AT&T que já tinha percebido que o Wi-Fi era a tecnologia apropriada para desafogar (“offload”) a rede 3G que, segundo a própria AT&T, não é uma tecnologia apropriada para o uso maciço de Internet móvel.

Ver nestas referências alguns dos movimentos da AT&T com o Wi-Fi (ver AT&T Reports Dramatic Growth of Wi-Fi, Dailywireless, 23.apr.2009; AT&T sees soaring use of Wi-Fi — just in time for an Apple tablet, Computerworld, 26.jan.2010; AT&T Wi-Fi Connections Keep High Growth with Free Service, Wi-Fi Net News, 22.oct.2010; AT&T Expands Public WiFi, Dailywireless, 28.dec.2010;  e Carrier-run Public WiFi Nets Expand, Dailywireless, 09.jun.2011). Recentemente, a AT&T anunciou uma aplicação específica de Wi-Fi para handsets Android da Apple (ver AT&T’s Smart Wi-Fi app, Dailywireless, 03.oct.2011). Em Dezembro de 2010, a AT&T tinha 23.000 hotspots de Wi-Fi nos EUA. Atualmente esta cellco possui 27.000 hotspots (ver Everyone bullish on Wi-Fi – with a few big exceptions, GigaOM, 09.nov.2011). Uma estratégia interessante: a AT&T também começou a construir “hot zones” de alta capacidade de tráfego em áreas públicas de alto consumo de banda como a Times Square em Nova Iorque e parques públicos.

Um ponto importante na AT&T foi o iPhone: o primeiro iPhone do mundo foi lançado na em Janeiro de 2007 na AT&T (iPhone, Wikipedia). O sucesso desse lançamento provocou o colapso na capacidade de banda larga móvel nessa operadora. A AT&T não resolveu o problema adquirindo mais espectro nos mercados secundários. O que ela fez? Ela utilizou a tecnologia Wi-Fi para “desafogar” o tráfego de Internet Móvel. Em 2010, o tráfego de Wi-Fi nos hotspots da AT&T simplesmente triplicou! Atualmente metade das “page views” do iPhone e 90% das “page views” do iPad utilizam as conexões de Wi-Fi na AT&T. De fato, quase 2/3 de todo o tráfego dos smartphones e tablets é canalizado via acesso de Wi-Fi ao invés das Redes 3G desta cellco (sic!) (ver Selling Our Wireless Future, AVC, Yochai Benkler, 05.nov.2011). Esta experiência da AT&T nos EUA utilizando a tecnologia Wi-FI – que é não-licenciada – pode estimular aos Órgão Reguladores de Telecomunicações – aqueles que “pensam” e inovam, como estimular mais a utilização de bandas wireless não-licenciadas no futuro. Conheça mais da experiência da AT&T com Wi-Fi aqui: Use of AT&T’s Wi-Fi Network Grows to More Than 68 Million Connections in the Second Quarter, PRNewswire, 22.jul.2011.

Orange

Esta cellco do Reino Unido foi a 2a operadora móvel no mundo a avaliar no início de 2010 a alternativa da  tecnologia Wi-Fi para descarregar (“offload”) a sua rede 3G (ver WiFi offload: Orange’s ‘number one priority’, Total Telecom, 12.feb.2010). O movimento da Orange UK foi feito antes dela se unir a T-Mobile UK (do grupo Deutsche Telecom) para formar a 1ª maior cellco britânica – através da joint venture da Orange UK com a T-Mobile UK – chamada Everything Everywhere.

De fato o Wi-Fi é uma apenas uma das opções de “offload” das redes 3G. Existem outras. Conheça mais sobre o tema aqui: Mobile Data Offloading through Opportunistic Communications and Social Participation, White Paper, 2010  e  Mobile Data Offload for 3G Networks, A Whitepaper, IntelliNet Technologies, Oct 2009.

Reino Unido: Uma Estratégia Agressiva de Wi-Fi

O provedor de Wi-Fi da British Telecom (BT) chamado Openzone e seu parceiro Fon Networks (o mesmo anunciado pela Oi para o mercado internacional), que afirmam ter 3 milhões de hotspots de Wi-Fi no Reino Unido e Irlanda, e seu competidor no Reino Unido, The Cloud, com algo em torno de 22.000 hotspots internacionalmente anunciaram recentemente uma competição pelo fornecimento de acesso gratuito de Wi-Fi. A cellco britânica O2 (do grupo da Telefónica da Espanha) e a Virgin Media  também anunciaram o fornecimento da conexão de Wi-Fi grátis em todo Reino Unido.

Uma joint venture entre a BT e a cerveja Heineken fornecerá conexão Wi-Fi para até 300 pubs e bares  em todo Reino Unido. Inicialmente o provedor Openzone da BT equipará 100 localidades de Londres até o final deste ano, com planos de estender o serviço de Wi-Fi em 200 pubs e bares até o final de 2012. Os clientes da BT podem utilizar o serviço de forma gratuita, mas o serviço Openzone será pago para aqueles que não são clientes da BT. A BT tem a bagatela de quase 3 milhões de hotspots de Wi-Fi dos quais adicionou 200.000 nos últimos três meses. Convém lembrar que a BT só tem operação de telefonia fixa e de banda larga. Ela não possui nenhuma operação de telefonia móvel. O interesse da BT em Wi-Fi já tem muito tempo. Foi uma das precursoras do Wi-Fi no mundo. O serviço Openzone foi criado em 2005. A BT apostou na tecnologia Wi-Fi para criar pacotes bundle para o mercado de varejo, corporativo e de atacado.

A empresa de TV a cabo BSkyB (British Sky Broadcasting) adquiriu o provedor de Wi-Fi britânico The Cloud no início deste ano quando o provedor tinha 4.000 hotspots no Reino Unido. Atualmente o The Cloud possui mais de 5.000 hotspots de Wi-Fi através do país britânico. A BSkyB disse que a cobrança ou não do serviço de Wi-Fi ficará a critério dos proprietários de pubs e clubes britânicos. Antes de 2008, os clientes da BT tinham acesso aos hotspots do provedor The Cloud, mas as empresas encerraram a parceria depois de falhar de chegarem a um acordo nos termos comerciais.

Enquanto isto, a Virgin Media está lançando um serviço gratuito de Wi-Fi para o público em partes de Londres.  A Virgin Media  planeja instalar roteadores de Wi-Fi na sua infraestrutura, incluindo gabinetes que distribuem a sua rede de cabos nas residências. No momento, está avaliando fornecer acesso gratuito de Wi-Fi para não-clientes na velocidade de 500 Kbps, enquanto os seus clientes terão acesso de até 10 Mbps.

A cellco britânica O2 da Telefónica  planeja lançar uma rede de acesso gratuito de 15.000 hotspots de Wi-Fi no Reino Unido a serem instalados em lugares públicos tais como coffee shops, e com acesso livre para clientes e não-clientes da O2. Esta cellco disse que o diferenciador chave da sua oferta de hotspots de Wi-Fi gratuitos dos outros fornecedores de Wi-Fi é que a sua rede de Wi-Fi será  genuinamente gratuita independente dos usuários serem clientes ou não da operadora. Quem diria né, uma empresa do grupo Telefónica fornecendo acesso gratuito de Wi-Fi como elemento diferenciador e de fidelização. O mundo tá muito “muderno”, você não acha?

No momento, a O2 oferece aos seus próprios clientes o acesso a 7.500 hotspots através de parceria com os provedores The Cloud e BT Openzone. A O2 espera que sua rede própria de Wi-Fi dobre este número em 2013. O produto O2 Wi-Fi representa uma unidade de negócios a parte da unidade de telefonia móvel, e pretende ter sua própria base de clientes e sua própria geração de receita (ver O2′s free Wi-Fi in detail: How free is free exactly?, The Register, 28.jan.2011).

Mercado de Telefonia móvel: O Reino Unido tinha (base Janeiro de 2011) 80 milhões de assinantes de telefonia móvel com uma penetração de 130%. As principais cellcos do Reino Unido são: (a) T-Mobile/Orange (agora chamada Everything Everywhere), com 27 milhões de assinantes e controlada pela France Télécom  e Deutsche Telekom; (b) O2  com 22 milhões de assinantes, controlada pela Telefónica espanhola; (c) Vodafone  com 19 milhões de de assinantes, controlada pela Vodafone Inc., com seu “quartel general” em Londres. Ela é proprietária de 45% da Verizon Wireless que é a 2ª maior cellco dos EUA depois da AT&T; (d) Three com 7,2 milhões de assinantes, controlada pela Hutchison Whampoa de Hong-Kong; (e)  Virgin Mobile UK, com 1,35 milhões de assinantes, e opera sua operação de MVNO na rede da cellco Everything Everywhere.

Wi-Fi No Brasil

A proliferação do Wi-Fi é pífia. Aqui nenhuma telco fixa ou móvel apostou nele com apenas uma exceção feita a Telefónica que chegou a implantar alguns hotspots de Wi-Fi e depois descontinuou (ou não apostou mais). A grande maioria das telcos brasileiras fizeram a sua “aposta” estratégica na Vex que não cresceu o suficiente. O serviço da Vex não massificou e agora foi vendida para a Oi. O que acontecerá então? A Oi não vai investir em Wi-Fi para dar espaço para seus concorrentes e aí todo mundo ficou “chupando o dedo”! As cellcos – pelo menos – vão ter que descobrir um jeito para “desafogar” as suas redes de 3G fazendo investimento próprio. Aqui tem uma luz no fim do túnel: com o aumento da base de smartphones, a tecnologia Wi-Fi vai significar cada vez mais uma GRANDE OPÇÃO para gerar novas receitas, fidelizar clientes da base e capturar novos clientes. Pode anotar isto na sua agenda!

Veja só a realidade da Vex no Brasil comparativamente aos números que temos na AT&T, no Reino Unido e em outros casos: a Vex tem apenas 1.600 hotpspots no Brasil. Conclua você mesmo sobre esta quantidade comparativamente com as outras acima apresentadas!  Devemos creditar esta realidade brasileira à miopia dos executivos das telcos brasileiras e a “brilhante” (sic!) visão inovadora dos seus grandes planejadores.

No caso da Oi, será que o anúncio da nova estratégia está relacionado a “agressividade” do  Dr. Valim (Francisco Valim, novo CEO da Oi)? Parece que que ele já está começando a fazer escrita – e dizer pra que veio – depois do “marasmo criativo” dos últimos anos dessa operadora carioca.

E o Futuro do Wi-Fi?

O mundo terá 5,8 milhões de hotspots de Wi-Fi em 2015, a partir dos 1,3 milhões que existem atualmente. Este aumento de 350% nos próximos 04 anos é um testamento ao aumento da penetração dos smartphones, que está ultrapassando a capacidade originalmente pretendida para uso pelos laptops e provocando novos lançamento de redes de Wi-Fi. Antes que você sonhe com a “onipresença” do Wi-Fi, parece que nem todas as operadoras de telefonia compraram – ainda – a idéia de ter Wi-Fi.

Em recente survey da Wireless Broadband Alliance (baseando-se em dados da Informa Telecoms & Media) (ver Everyone bullish on Wi-Fi – with a few big exceptions, GigaOM, 09.nov.2011) identificou que 47% das operadoras de telefonia móvel  acreditam que o serviço de hotspots de Wi-Fi ou é muito importante ou crucial para assegurar a experiência dos clientes com Internet Móvel, para descarregar (“offload”) as supertaxadas redes de 3G ou 4G ou para proporcionar a alavancagem do lançamento de novos serviços. Este estudo também mostra que as cellcos não se sentem mais ameaçadas pelo Wi-Fi e estão ativamente abraçando esta modalidade de acesso.

Outras cellcos estão apostando na tecnologia Wi-Fi. A KDDI do Japão planeja  implantar uma rede de hotsopts de Wi-Fi com 100.000 pontos de acesso, o que dá um hotspot para cada 320 clientes da cellco. A China Mobile planeja instalar 1 milhão de hotspots até o final de 2012. Veja mais o que está acontecendo com Wi-Fi na China aqui: Free WiFi for Bejing, Dailywireless, 03.nov.2011).

Apesar do interesse das cellcos em relação ao Wi-Fi existem players no mercado que afirmam que as operadoras podem querer taxar o serviço (ver Carriers Kill Free Wi-Fi, Dailywireless, 31.oct.2011).

O grande driver de todas estas implementações de Wi-Fi é o uso dos smartphones. Segundo a Wireless Broadband Alliance, os conexões de smartphones via hotspots de Wi-Fi em breve estarão ultrapassando as conexões de laptops. Aqui temos uma pergunta que não quer calar para as cellcos brasileiras (Vivo, TIM e Claro): qual a estratégia de vocês para rentabilizar novos negócios (e assegurar a fidelização) com a tecnologia Wi-Fi?

A Ericsson sinalizou recentemente que a contratação de serviços de dados das cellcos chegará a cinco bilhões em 2016, o que significará mais de 10 vezes o número atual (ver  Data Subs: 5 Billion by 2016, Dailywireless, 07.nov.2011 e 7 charts that predict the future of mobile broadband, GigaOM, 07.nov.2011). O mundo vai ficar uma “loucura” em termos de serviços de dados nos smartphones. Welcome to this party!

A conectividade via Wi-Fi pode trazer uma série de novos negócios para a cellcos. Por exemplo, elas podem lançar serviços diferenciados “misturando” smartphones e redes sociais cuja combinação – de alta “octanagem” – tem como alvo um consumidor “antenado” da geração jovem (ver Celulares ganham novas funções com aplicativos simples e gratuitos, Jornal Hoje da TV Globo, 07.out.2011). Tem gente apostando que a telefonia móvel pode proporcionar  “fresh money” com as redes sociais (ver How to make money from mobile social networking – charge for it!!, Mobile Tribe, 26.mar.2009 e So how DO you make money with a social networking service on mobile?, Communities Dominate Brands, 17.apr.2009). Lembre-se: a convergência entre mídia social e tecnologia móvel trará uma interação realmente onipresente e em tempo real!

Finalmente para quem aposta no Wi-Fi e quer conhecer mais sobre seu futuro ver as referências: History of 802.11, Dailywireless, 10.oct.2011 e Fast Transistion to 802.11ac Predicts ABI, Dailywireless, 19.sep.2011).

Outras Referências:

Kineto Wireless: Bundled WiFi Talk Apps, Dailywireless, 09.aug.2011

Hotspot Tethering Fees, Dailywireless, 04.nov.2011

White Space Trialed, Dailywireless, 11.oct.2011

Ofcom: White Spaces by 2013, Dailywireless, 02.sep.2011

Skype WiFi Service, Dailywireless, 17.aug.2011

White Space War, Dailywireless, 12.aug.2011

WiFi Direct: Easier Roaming from Cell to WiFi, Dailywireless, 24.jun.2011

In-Flight WiFi: Summer 2011, Dailywireless, 06.jun.2011

AT&T Moves to Hotzones and Picocells, Dailywireless, 06.may.2011

Femtocell & WiFi Phones Growing Fast, Dailywireless, 27.apr.2011

Operators better say goodbye to the SMS cash cow, GigaOM, 03.nov.2011

Emitido por Eduardo Prado

Data: 11.nov.2011

Revisão 01: 12.nov.2011

Fonte: http://convergenciadigital.uol.com.br

Ganhar Dinheiro na Internet? Conheça 3 Maneiras Diferentes

Autor: Empreendedor Web

Ganhar Dinheiro na Internet é um assunto muito discutido. Sonhos para uns, realidade para outros.

A verdade é que uma breve busca pelo assunto mostra que a maioria dos “Gurus” estão ensinando as pessoas basicamente 3 formas de ganhar dinheiro na Internet:

  • Usar Google AdSense e ganhar com clicks
  • Importar produtos da China e vender na internet
  • Criar infoprodutos e vender

Estas 3 formas aí viraram praticamente sinônimos de como dinheiro na Internet, mas a verdade é que o leque de opções é muito maior.

Por exemplo, para ganhar dinheiro com Google AdSense você vai precisar de um site com MUITO, mas MUITO tráfego. Nem todo mundo tem condição ou conhecimento para criar um bom site, recheá-lo com grandes volumes de conteúdo e depois conseguir gerar uma quantidade enorme de tráfego para ele. Ou seja, a pessoa quando tenta ganhar dinheiro com Google AdSense, acaba falhando terrivelmente.

Importar produtos da China é outro problema. Pode parecer simples, mas quem já tentou na prática sabe das grandes dores de cabeça envolvidas com atrasos de fornecedores, reclamação de clientes, produtos que são taxados na alfândega e tudo mais. Dor de cabeça.

Por fim, temos a Criação de Infoprodutos, que apesar de ser um boa opção, envolve uma certa experiência, conhecimento de marketing para poder vender e, obviamente MUITO tempo. Criar um infoproduto não é simples como parece e pode levar meses.

Quais são as alternativas?

As alternativas são inúmeras, mas por hora, recomendo que analise 3 outras formas de ganhar dinheiro através da Internet:

Forma 1) Blogs Lucrativos

Você pode criar Blogs capazes de gerar dinheiro de diversas formas possíveis, sendo que a maioria delas vai te dar mais dinheiro que o Google AdSense. Muita gente pensa que blogar é só diversão e passatempo, mas isto é porque elas ainda não viram o que uma estratégia CERTA pra Blogs é capaz de gerar em termos de dinheiro. Quer ver a prova REAL que blogs podem ser muito lucrativos? Veja aqui.

Forma 2) Para os amantes de Futebol: Trading Esportivo

Brasileiros e Portugueses simplesmente AMAM futebol não é verdade? Acontece que muitos de nós adora assistir os jogos e analisá-los com os amigos e nunca ganhamos nada por isto. Pois bem, através da Internet é possível ganhar sim, e MUITO. Temos exemplos tanto no Brasil, quanto em Portugal de profissionais de Trading Esportivo que trabalham de casa, através da Internet e até Ferrari já conseguiram comprar. Se você pensa que pode ser interessante ganhar dinheiro para analisar jogos de futebol, veja mais informações aqui.

Forma 3) Prestar serviços através da Internet

A Internet quebrou todas as barreiras geográficas existentes, então porque não prestar serviços através da internet? Se você é um desginer, webdesigner, consultor, escritor, programador ou faz qualquer outro tipo de prestação de serviços, existem sites como freela.com.br (nacional) e odesk.com (internacional) que permitem que você consiga contratos de prestação de serviços no mundo todo, podendo inclusive receber em outras moedas.

Conclusão

Particularmente eu trabalho mais com Blogs e tenho excelentes rendimentos. No tanto, tenho amigos ganhando muito dinheiro com trading esportivo e também com prestação de serviços. A forma que você irá adotar para ganhar dinheiro na Internet fica para você decidir, mas uma coisa é fato: É POSSÍVEL, e Vale muito a pena!

.

http://www.artigonal.com/marketing-na-internet-artigos/ganhar-dinheiro-na-internet-conheca-3-maneiras-diferentes-4993127.html

Perfil do Autor

Empreendedor Web trabalha com Internet desde 2006 e tem experiência com blogs e consultoria no ramo de marketing e empreendedorismo digital.

Por que brasileiros pagam tanto por eletronicos importados

Autor: JOAO

Quem alguma vez já viajou ao exterior certamente ficou abismado com a diferença dos preços de produtos eletrônicos no Brasil quando comparados aos preços praticados nos Estados Unidos, China ou mesmo em nossos vizinhos Argentina, Paraguai, etc.

Não é segredo para ninguém que a esmagadora maioria dos eletrônicos são hoje fabricados nos países asiáticos e de lá distribuídos para todo o mundo. Então como pode a diferença ser tão grande nos preços quando comparamos o mesmo produto eletrônico nos Estados Unidos e no Brasil?

Você já ia me dizer que é por causa dos impostos, não ia?

É claro que os impostos pioram ainda mais as coisas, mas isso não é tudo. Acompanhem meu raciocínio para uma máquina fotográfica semi-profissional da Canon, por exemplo:

Máquina fotográfica digital CANON EOS REBEL T2I KIT (EF-S 18-135mm IS)

Preços coletados em 14/06/2011:

BESTBUY (Grande rede de eletrônicos americana): US$ 799,99 ou R$ 1.360,00 (dólar a 1,70)

Canon do Brasil: R$ 4.999,99

Importando de Miami:

Agora imagine a possibilidade de importar qualquer tipo de produto eletrônico dos Estados Unidos, pagando os devidos impostos.

O custo para um hipotético comprador brasileiro seria, sem sonegar imposto:

R$1.360,00 (custo em Miami) + 6% (imposto da Flórida) + R$ 353.39 (remuneração do agente de importação) + R$ 80,00 (correio) = R$ 1.874,99

Ah, não vamos esquecer do imposto:

R$ 1.874,99 + 60% (imposto sobre importação direta através dos correios) = R$ 2.999,98

É isso mesmo: a Canon vende aqui por um preço 66.67% maior do que seria possível vender!

Quando me mudei para os Estados Unidos passei um bom tempo tentando entender qual a explicação lógica e a única que me ocorre é a seguinte: as grandes marcas estabelecem um preço mínimo de venda, mas nunca um máximo, e cobram pelo status concedido pelo público do país à sua marca.

Em outras palavras o preço de um produto é sempre o valor máximo que o público estiver disposto a pagar!

É assim com a maioria dos produtos de marcas: câmeras digitais, tablets, celulares e até carros!

Como mudar essa situação se os produtos de marca são realmente melhores e, vamos admitir, são nosso objeto de desejo assim mesmo?

A minha resposta pessoal é um sonoro NÃO SEI!

Boicotar esses produtos numa ação coordenada certamente mudaria a situação, mas estamos dispostos e, pior, temos tempo para investir nesta luta?

Essa é uma questão pessoal cuja resposta varia com o perfil de cada pessoa e não cabe a ninguém julgar a postura de cada um.

O que eu posso fazer, e tentei com este artigo, é divulgar a informação ao máximo de pessoas possível para que todos tenham consciência dessa situação e possam conhecer uma maneira de evitar os preços abusivos praticados por grandes marcas no Brasil. Sempre que quiser comprar um produto eletrônico e puder esperar um pouco mais prefira a opção de importar diretamente dos Estados Unidos ou da China. É fácil, seguro, e existem várias lojas virtuais idôneas que podem te ajudar.

Se você achar que vale a pena, por favor compartilhe este artigo com seus amigos.

Um abraço a todos!

João Almeida

Engenheiro por formação e apaixonado por tecnologia, se dedica à importação de produtos de alta tecnologia dos Estados Unidos para o Brasil.

www.demiami.com.br

http://www.artigonal.com/tecnologias-artigos/por-que-brasileiros-pagam-tanto-por-eletronicos-importados-4910590.html

Perfil do Autor

Onde e Como Comprar Notebook Barato

Autor: Rick Braga

Devido à agressividade canibalista do mercado de informática, cada vez mais torna-se mais difícil decidir qual local é o mais apropriado para comprar um notebook. Antes da potência da corrente de informações, via internet, esse mercado era baseado na confiança da pronta entrega, visitando uma loja física e tocando no equipamento que gostaria de adquirir.

Sabemos que atualmente, a realidade é diversa, pois os preços despencaram; a classe média percebe maior rendimento e a oferta acabou se dividindo em muitos comerciantes. Ficar preso somente a uma empresa que possui notebook a pronta entrega, ou aceita retiradas pessoais, pode significar na perda de diversidade, custo benefício e menor adaptação do portátil ao perfil do cliente.

Ao certo, existem muitas vantagens em visitar uma loja, tocar no futuro notebook e comprá-lo. Porém saiba que empresas que estocam tal equipamento irão buscar lucros bem maiores, por diversos motivos:

  • Pagamento de maior número de funcionários (forte tributação da CLT).
  • Alta taxa de depreciação de informática no Brasil, aumenta-se o risco em momentos de flutuação cambial.
  • Eventuais ataques de roubo/furto por criminosos.

Esses são alguns dados que aumentam o risco do empresário que logo irá buscar maior rendimento, cobrando taxas mais elevadas de “spread” na margem de seu lucro. Sendo assim, deve-se consentir que para conseguir comprar um notebook “ao mínimo” mais barato que o usual, deverá o consumidor, procurar por empresas reais, mas que comercializem seus equipamentos, em lojas online. Essa escolha poderá acarretar alguns riscos para o usuário, como:

  • Por foto/videos entender como seria seu notebook “na realidade”.
  • Render-se à agilidade do mundo real pelo mundo virtual.
  • Abrir mão do calor do atendimento pessoal de um consultor, por e-mails/telefonemas.

São riscos inerentes a modalidade de compras online, mas não devemos esquecer da existência de empresas fantasmas (no direito denominadas “empresas de fato“) que utilizam do mundo cyber-virtual para auferir golpes, receber pagamentos e jamais entregar a mercadoria. Além de outras instituições, não criminosas, mas que importam portáteis da India/China e não estocam, apenas os compram no momento que recebe o dinheiro do cliente, informando os dados de entrega do mesmo e levando até 3 meses para receberem os produtos (vide lentidão de empresas internacionais de transporte, correios, Receita Federal, etc).

Veja algumas dicas para prevenir-se dessas ações:

  • Ao visitar o site da empresa, procure saber quanto tempo essa tem de mercado. Se o CNPJ estiver visível, basta recorrer ao site de consulta da Fazenda Pública. Se não informado, basta recorrer ao registro.br (se a empresa tiver dominio cujo final for “.net.br, .com.br, etc.br). Caso domínio for (final .com / .net / .org) recorrer a qualquer site de “who is” Em ambos os casos, ficará disponível a informação do momento de criação do domínio.
  • Uma vez que o dominio tenha mais que 2 anos, será interessante pesquisar sobre esse na internet, em busca de reclamações.
  • Passado pelas duas etapas, pergunte ao vendedor sobre a origem do notebook, e se encontra-se no Brasil ou exterior, além do prazo de entrega.
  • A última e melhor alternativa é optar por loja de notebook que aceite pagamentos via Mercado Pago, pois essa instituição, trabalha como mediadora das negociação, e se o cliente não receber o portátil em até 21 dias, será reembolsado de forma integral. O pagamento fica disponível para a empresa, somente após o cliente receber o produto, conferí-lo e avisar a plataforma do Mercado Livre, da transparência da negociação.

Tenha cuidado ao aceitar outras plataformas de pagamento, pois ainda que publiquem a mesma política do Mercado Pago, muitas como “Moip do IG” irão apenas verificar se houve algum envio e não a plena satisfação do consumidor. Muitos Sites (na moda) que compram equipamentos da China e o usuários que assume todos os riscos da importação, utilizam essa plataforma citada e levam um bom tempo para as disputas serem resolvidas.

Por fim, pessoalmente indico algumas lojas para compra online de notebooks:
Notebook Sony Vaio – http://notebooksonyvaio.com.br/
Notebook i7 – Comercializa como Loja de Notebook HP, por exemplo.

http://www.artigonal.com/hardware-artigos/onde-e-como-comprar-notebook-barato-4756976.html

Perfil do Autor

Advogado Direito do Consumidor formado pela PUC.
Comerciante importador especialista em Tecnologia da Informação

Recomendo: Notebook Sony Vaio – Especializada em portáteis da Marca.

Resultados da Visita de Dilma à China: Produção de iPad no Brasil

Autor: MARCIO A. SILVA

A visita da presidente Dilma Rousseff à China já trouxe resultados para o Brasil. A presidente manteve contato com o presidente da Foxconn, Terry Gou, o qual anunciou investimento de US$ 12 bilhões para a produção de tablets no Brasil.

Segundo o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, os aparelhos produzidos em solo brasileiro devem chegar ao mercado até o final de 2011.

A grande novidade é que com a fabricação dos tablets no Brasil os preços terão uma redução de até 31% em comparação com os importados a exemplo do iPad que é comercializado no país por cerca de R$ 1.399,00. Sendo assim, o preço do tablet com menos impostos pode chegar a R$ 965,00, mas segundo Paulo Bernardes, Ministro das Cominicações, a previsão é de que o preço varie entre R$ 400,00 e R$ 500,00.

Ouça a Entrevista coletiva concedida pela Presidenta da República, Dilma Rousseff, após banquete oficial oferecido pelo presidente da China

Ver Mais: http://corporativareview.com.br/noticias-do-mundo-corporativo/producao-de-ipad-no-brasil-resultados-da-visita-de-dilma-a-china

A visita da presidente Dilma Rousseff à China já trouxe resultados para o Brasil. A presidente manteve contato com o presidente da Foxconn, Terry Gou, o qual anunciou investimento de US$ 12 bilhões para a produção de tablets no Brasil.

Segundo o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, os aparelhos produzidos em solo brasileiro devem chegar ao mercado até o final de 2011.

A grande novidade é que com a fabricação dos tablets no Brasil os preços terão uma redução de até 31% em comparação com os importados a exemplo do iPad que é comercializado no país por cerca de R$ 1.399,00. Sendo assim, o preço do tablet com menos impostos pode chegar a R$ 965,00, mas segundo Paulo Bernardes, Ministro das Cominicações, a previsão é de que o preço varie entre R$ 400,00 e R$ 500,00.

A visita da presidente Dilma Rousseff à China já trouxe resultados para o Brasil. A presidente manteve contato com o presidente da Foxconn, Terry Gou, o qual anunciou investimento de US$ 12 bilhões para a produção de tablets no Brasil.

Segundo o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, os aparelhos produzidos em solo brasileiro devem chegar ao mercado até o final de 2011.

A grande novidade é que com a fabricação dos tablets no Brasil os preços terão uma redução de até 31% em comparação com os importados a exemplo do iPad que é comercializado no país por cerca de R$ 1.399,00. Sendo assim, o preço do tablet com menos impostos pode chegar a R$ 965,00, mas segundo Paulo Bernardes, Ministro das Cominicações, a previsão é de que o preço varie entre R$ 400,00 e R$ 500,00.

A visita da presidente Dilma Rousseff à China já trouxe resultados para o Brasil. A presidente manteve contato com o presidente da Foxconn, Terry Gou, o qual anunciou investimento de US$ 12 bilhões para a produção de tablets no Brasil.

Segundo o ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, os aparelhos produzidos em solo brasileiro devem chegar ao mercado até o final de 2011.

A grande novidade é que com a fabricação dos tablets no Brasil os preços terão uma redução de até 31% em comparação com os importados a exemplo do iPad que é comercializado no país por cerca de R$ 1.399,00. Sendo assim, o preço do tablet com menos impostos pode chegar a R$ 965,00, mas segundo Paulo Bernardes, Ministro das Cominicações, a previsão é de que o preço varie entre R$ 400,00 e R$ 500,00.


http://www.artigonal.com/tecnologias-artigos/resultados-da-visita-de-dilma-a-china-producao-de-ipad-no-brasil-4607633.html

Perfil do Autor

Márcio A. Silva é escritor, consultor de Treinamento & Desenvolvimento, palestrante há mais de 8 anos nas áreas de gestão de clientes & atendimento, call center e contact center, gestão de pessoas, vendas, motivação, planejamento estratégico e liderança. Autor do livro \”Clientes por Todos os Lados\” pela Editora Diário (SP), tendo como principais clientes: Volvo, Unimed, Shopping Center Uberaba, Vila Rica Imóveis, Kia Motors, Band FM, VTV Digital, WDC Network, Centro Auditivo Surtel, CRA-SP, ABT, Diário de Suzano, Amaro Contact Center, Assist-Card do Brasil, CTIS Tecnologia S/A, ABRAPP, entre outros. Visite nosso site: www.corporativabrasil.com.br